11/03/2019

O Bacen (Banco Central do Brasil, também conhecido BC ou BCB) pode encaminhar ao Ministério da Economia, até 31 de maio, o pedido de autorização para a realização de seu novo concurso público. 

Porém, esse procedimento pode se tornar desnecessário caso o órgão ganhe independência, o que está sendo avaliado.

Uma das metas do novo governo, segundo o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, é a independência do Banco Central. Se isso ocorrer, a instituição não dependerá de autorização por parte do Ministério da Economia. 

 

No momento, existem mais de 2.000 postos vagos, sem contar com as futuras aposentadorias. Isso dá cerca de 36% do quadro de pessoal do Banco Central que não está sendo preenchido. O déficit total é de 2.356 servidores, sendo 1.944 analistas, 289 técnicos e 123 procuradores - esses números podem sofrer modificação a qualquer momento. 

 

A última solicitação foi para o preenchimento de 220 vagas, sendo 200 para a carreira de analista e 20 de procurador. 

Os cargos de analista e procurador tem em seu requisito candidatos com formação superior em diversas áreas de atuação. A renumeração para os cargos são de R$16.286,90 e R$17.788,33, respectivamente. 

Esse valor já inclui o benefício-alimentação, que equivale a R$458 mensais.